• ANÚNCIOS

  • PUBLICIDADE

[Matéria] Qual a real utilidade dos aditivos?

Área destinada à matérias diversas...

Moderador: Equipe-D

[Matéria] Qual a real utilidade dos aditivos?

UNREAD_POSTpor Dinho » Ter, 05 Out 2010 10:31

25/11/2008 07:00:00 http://carroonline.terra.com.br//index.asp?codc=2162

Especial manutenção: aditivos fazem bem? - Saiba como esses produtos ajudam seu carro e se valem o investimento
Hugo Passarelli
Imagens Pedro Bicudo

Qual a real utilidade dos aditivos?


Imagem


Quando o assunto é o uso de determinado produto ou serviço, o mundo automotivo é repleto de polêmicas. Montadoras, mecânicos especializados e produtores nunca chegam a um acordo sobre a necessidade de certos cuidados com o veículo. Para esclarecer essas dúvidas, o portal Carro Online publicará, nesta e nas próximas semanas, reportagens especiais que ajudem você a poupar seu dinheiro e, ao mesmo tempo, cuidar de seu veículo de modo adequado.

Desta vez, escolhemos um dos temas mais polêmicos do setor: o uso de aditivos. Afinal, qual é a real utilidade desse produto para os veículos? São, de fato, necessários para uma boa conservação do motor? Para solucionar tais dúvidas, consultamos mecânicos e engenheiros especializados no assunto, além dos próprios fabricantes. Confira a seguir as opiniões.

Tipos e utilizações

Um dos principais fatores que contribuem para a polêmica acerca do uso de aditivos está na grande quantidade de tipos e especificações que o comprador tem à disposição. Diante disso, é normal que o consumidor não saiba qual produto certo para a sua necessidade. Aqui, daremos destaque para três tipos: os utilizados no combustível, aqueles destinados ao óleo do motor e os recomendados para a água do radiador.

O aditivo para combustível está disponível, basicamente, em dois tipos: um com função de aumentar a octanagem da gasolina e outro feito para limpar o motor. Para aqueles que buscam um melhor aproveitamento da potência do veículo, os chamados “aditivos booster” prometem dar conta do recado. Em teoria, sua utilização eleva a capacidade detonante do comburente e, conseqüentemente, a quantidade de potência e torque disponíveis. O engenheiro Fábio Ferreira, vice-diretor do comitê de veículos de passeio do SAE Brasil (Sociedade de Engenheiros de Mobilidade), no entanto, questiona a funcionalidade do produto: “Em motores aspirados, acho difícil haver uma diferença de potência significante. Agora, em motores turbo, é possível que ocorra um ganho neste sentido”. As montadoras, por meio do manual do proprietário do veículo, não recomendam o uso desses produtos.

Quando a intenção é apenas garantir a limpeza do motor, os aditivos do segundo tipo entram em jogo. Segundo a Bardahl, seu uso evita o acúmulo de resíduos que se formam normalmente com a queima de gasolina no motor. Tal opinião é compartilhada pelo engenheiro Paulo Pedro Aguiar Júnior, responsável pela Engin Engenharia Automotiva. Segundo Aguiar, a utilização desse tipo de produto realmente permite uma maior limpeza das partes que compõem o motor, como o cabeçote, por exemplo.

Fábio Ferreira, da SAE, também salienta que o uso desses produtos pode ser uma maneira de prevenir o motor contra os impactos causados pelos combustíveis adulterados. Por outro lado, se o propulsor já estiver “contaminado”, a aplicação de aditivos para combustível em nada resolve o problema. Os dois especialistas concordam neste ponto: apesar de benéfico, o líquido é apenas um auxílio na conservação do motor, uma vez que o item não faz parte da “cesta básica” de produtos que todo motorista não pode esquecer de utilizar com freqüência.

O mesmo vale para os aditivos de óleo. Cláudio Cobeio, proprietário da Cobeio Car, é taxativo quanto ao assunto: “Não costumo recomendar para meus clientes, embora saiba de seus benefícios”. Se a crença é de que com o uso de aditivos a troca de óleo poderá ser estendida, esqueça. Eles não prolongam a vida útil do lubrificante. A Bardahl, aliás, faz um esclarecimento a esse respeito: este tipo de aditivo auxilia o próprio óleo na função de eliminar o atrito e o desgaste das peças, ou seja, fica valendo o mesmo do caso anterior: o produto ajuda, mas se o consumidor não tiver disponibilidade de dinheiro, ou não achar necessário, é só seguir o programa de manutenção das montadoras à risca.

Por fim, temos o menos polêmico de todos: o aditivo para água do radiador. Não há dúvidas quanto à importância do produto, mas Paulo Aguiar, da Engin, faz novamente um importante alerta: “O consumidor deve prestar atenção se o produto possui os dois componentes essenciais: o antioxidante e o anti-fervura (etilenoglicol)”. Caso o líquido para auxílio da refrigeração esteja fora das especificações, poderá causar sérios danos ao motor, que vão desde o superaquecimento até a corrosão de alguns componentes. Para que não haja problema, é só comprar o aditivo recomendado no manual.

Caráter preventivo

O principal fator que não pode ser esquecido é que o aditivo, por si só, não é recomendável à solução de qualquer defeito que o veículo apresente. Se houver problemas de batida de pino na injeção eletrônica ou formação de borra no motor, por exemplo, seu uso não é uma solução.

No caso específico da batida de pino, há outra confusão. De acordo com a Bardahl, o defeito pode ser resolvido com o uso de um produto que, veja só, também é chamado de aditivo por algumas fabricantes. Mas não confunda. Ele não é o mesmo que está à venda nas lojas convencionais. Sua distribuição é realizada diretamente para as oficinas especializadas.

No fim das contas, os aditivos realmente funcionam?

Após colher opiniões de todos os setores sobre os aditivos, pode-se afirmar que, sob certas condições, o uso desses produtos é benéfico, mas não indispensável. Por outro lado, deve-se pesar que sua funcionalidade depende muito das condições de uso a que o veículo é submetido. Ou seja, oferecer garantias de seu funcionamento não é algo que pode ser feito sem que haja uma análise completa de todas as características do modelo.

Nesse ponto, até mesmo as produtoras de aditivos são cautelosas. O consumidor também não pode esquecer que, se decidir pela utilização, terá que desembolsar uma quantidade considerável de dinheiro. O velho (e bom) conselho é ainda o melhor: siga todas as orientações descritas no manual das montadoras com atenção. Estude com cuidado qual o tipo de uso que você faz de seu veículo. Se achar que deve, avalie a possibilidade de testar algum destes produtos com seu mecânico, com a montadora e com os próprios fabricantes, se for o caso. Mas não esqueça que, sem eles, seu carro estará em boas mãos, já que os modelos são projetados para viver sem esse tipo de auxílio.

Compartilhar


Re: [Matéria] Qual a real utilidade dos aditivos?

UNREAD_POSTpor pak4to » Ter, 05 Out 2010 11:51

de qnt em qnt tempo teria q trocar o aditivo do radiador? ou por km? n sei!!



Retornar para Matérias

Quem está online

Usuários vendo este fórum: Nenhum usuário registrado online e 1 visitante