• ANÚNCIOS

  • PUBLICIDADE

[MATERIA] Lendas automotivas

Área destinada à matérias diversas...

Moderador: Equipe-D

[MATERIA] Lendas automotivas

UNREAD_POSTpor fabiosm » Sex, 05 Set 2008 11:09

Dez afirmações populares sobre os automóveis desmistificadas
por técnicos e engenheiros, com um toque de bom humor


Deus criou o escuro e o homem foi lá ver o que tinha “dentro”. Basta colocar alguma coisa na frente do ser humano, que ele desconheça um pouquinho, para que o mesmo comece a fuçar para descobrir como é que funciona, porque isso, porque aquilo, se pode mexer? Enfim, não tem jeito, somos curiosos por natureza.

Com os carros não poderia ser diferente. Imagina: uma coisa que “anda” sozinha! É assunto para mais de metro, com uma capacidade infindável de criar dúvidas, ainda mais com as novas tecnologias incorporadas as carros da atualidade.

Para descobrir o que é verdade e o que é mentira dentre os mitos sobre rodas, separamos uma lista de 10 dúvidas e perguntamos a técnicos e engenheiros o que vocês podem ou não acreditar. Como as piadinhas são inevitáveis, tamanha as lendas levantadas pela equipe, a redação entrou no clima e, mesmo se tratando de um assunto sério, acabou brincando um pouco, exercitando a imaginação nas fotos e, claro, no Photoshop. Confira o resultado!

1.Apoiar o pé na embreagem e manter a mão no câmbio gasta mais combustível
Verdade - Apoiar o pé no pedal da embreagem desgasta diretamente o rolamento da embreagem. A reincidência deste costume também acarretará o desgaste precoce da embreagem (platô e disco) e a insistência na utilização destes componentes desgastados também comprometerá o consumo de combustível. Com o câmbio não é diferente. Qualquer peso extra provoca um desgaste prematuro dos componentes – até mesmo a troca de uma manopla pode provocar estragos. Ainda mais com a mão pesada da nossa repórter Marcely Lima, para se ter uma idéia o marido dela fugiu semana passada depois de uma surra. Coitado do câmbio!

2.O motor de carro com injeção eletrônica afoga
Mito : Desde que o sistema de injeção esteja em perfeito funcionamento, a resposta é não. Diferente dos carros equipados com carburador, onde cada vez que acionado o acelerador, ocorre a injeção de combustível, possibilitando seu acúmulo, o sistema eletrônico não permite que a gasolina ou álcool, seja jogado para dentro do motor em excesso, o famoso “afogado”. Só se o sistema estiver com defeito, pode-se injetar mais combustível do que o necessário. Ou seja, se alguém com carro novo lhe disser que o carro afogou, desconfie: ele pode estar na piscina de alguém.

3.Airbag pode machucar os ouvidos e o rosto
Mito: De acordo com Paulo Souza, gerente de assistência técnica da Bosch, o acionamento do airbag propaga aproximadamente 110 decibéis. Apesar de alto, este barulho não é constante e com certeza será bem menor que o barulho que a colisão dianteira irá produzir. Sem contar a proteção ao rosto e tórax do passageiro. As vantagens em se ter um airbag no veículo são indiscutíveis e o impacto não prejudica a audição nem fere o rosto. Cá entre nós, o problema mesmo é a batida, e não o airbag. Por via das dúvidas, o Daniel Simonetti (foto) anda saindo de carro usando proteção extra.

4.Vidro elétrico pode machucar uma criança
Em termos: Os vidros elétricos dos automóveis em geral vêm com sistema de proteção anti-esmagamento, ou seja, quando acontece alguma resistência, o movimento do vidro é revertido : quando é acionado para subir (fechar) e encontra um obstáculo, automaticamente inverte o movimento iniciando a descida (abrir). Mas o ideal seria consultar se o carro possui este sistema ou fazer um teste com um lápis, por exemplo. Acionadores do tipo gancho são mais adequados por evitar que apertões involuntários movam o vidro para cima. Usamos o repórter Thomaz, o mais novo membro da equipe, para testar o mito. Sem poder abrir (graças ao bloqueador dos vidros traseiros), deixamos o estagiário meia hora preso.

5.Presilha (pregador) de cinto não influi na segurança
Mito: O uso do “pregador” é errado e em caso de colisão ou em uma frenagem mais forte, a presilha elimina a tensão do cinto de segurança, fazendo com que o corpo do motorista e/ou passageiro se lance à frente. Além disso, mantém o mecanismo de travamento do cinto na posição errada, tornando-se ineficiente na hora da emergência. Gente, cinto não é varal, pô! Pregador, onde já se viu? Por acaso você já viu alguém secando roupa nele?

6.Andar na estrada com o vidro aberto gasta gasolina tanto quanto com o ar-condicionado ligado
Mito: O vidro aberto em condições de trânsito normais, trafegando nos limites de velocidade regulamentadas em nosso País (máxima de 120 km/h), a diferença de combustível é desprezível. No caso de acionamento do ar-condicionado, temos uma situação totalmente diferente, pois o compressor do ar-condicionado utiliza-se da força motriz do motor do veículo, por meio de uma correia, que exige aproximadamente 4 cv de força a mais de consumo do motor. Aumentando a força que o motor terá de produzir, aumentaremos também o consumo de combustível. Na dúvida instala um ventilador da “Arno” nele...

7.Película solar reduz o calor dentro do veículo
Verdade: Tecnicamente, as películas não esquentam nem esfriam o carro, pois não emitem ou retiram calor do ambiente. As películas produzidas seguindo rígidos padrões de qualidade podem proteger (em maior ou menor percentual) ou não, do calor e da luz. Segundo a assessoria da Insulfim, sua película possui camadas de resina anti-uv e de outros materiais, que possibilitam proteção contra o calor em até 65%, de acordo com a linha do produto. Caso contrário iria ser um tal de carro com a língua pra fora andando pela cidade...

8.Andar com o carro na descida no ponto morto gasta menos gasolina
Mito: Em primeiro lugar, na descida e em ponto morto não é uma situação recomendada pelos riscos que está se expondo o motorista. Em segundo lugar, na descida, ao tirar o pé do acelerador com o câmbio engatado, o sistema de injeção interrompe o fornecimento de combustível para o motor. Isto ocorre porque a unidade de comando verifica rotação elevada do motor e o acelerador em repouso, e reconhece que para o motor se manter girando não precisa da injeção de combustível. Pode até parecer estranho, mas segundo os engenheiros, o motor não precisa do combustível neste determinado momento para se manter ativo. Agora, caso o motorista coloque em ponto morto, o sistema verifica automaticamente a necessidade da injeção de combustível para que o motor mantenha-se ligado em marcha lenta, gerando consumo e emissões desnecessários. Resumindo: carro na banguela é coisa antiga.

9.Mistura de óleo sintético e natural prejudica o veículo
Verdade: Segundo o reparador automotivo Cláudio Cobeio, a mistura dos óleos pode sim prejudicar o motor devido as suas diferenças de viscosidade, ou seja, quando houver a necessidade de completar e não se souber qual o tipo de óleo que se está usando, é melhor trocar óleo e filtro de óleo. Sempre usando o óleo recomendado pelo fabricante e efetuar trocas a cada 6 500 km, em média, dependendo do modelo. A Marcely ainda não descobriu se óleo de girassol é mineral ou sintético.

10.Rodízio de pneus: quando compramos dois pneus novos, o correto é colocá-los na frente.
Mito: A Michelin aconselha montar os pneus novos (ou menos gastos) nas rodas traseiras, para garantir melhor aderência em situações difíceis (frenagem de emergência ou curvas fechadas), principalmente em pista escorregadia, pois, em caso de perda de aderência das rodas traseiras, o veículo corre o risco de derrapar.
A Goodyear acrescenta ainda que, para utilizar o potencial total do pneu, deve ser feito um rodízio a intervalos de 5 000 km. Se o pneu não for unidirecional eles devem ser cruzados, caso seja a troca deve ser feita de traz para frente. Rodiziozinho caro esse viu, não dá para almoçar todo dia assim não!

Compartilhar


Retornar para Matérias

Quem está online

Usuários vendo este fórum: Nenhum usuário registrado online e 1 visitante